Sunday, October 15, 2006

More than a thousand + Hills have eyes + One hundred steps - Santiago Alquimista




Putos. Muitos putos. Muita emozada sem idade para poder exercer o direito ao voto, se juntou na sala do santiago alquimista ontem à noite. Muita gente já com o tradicional piercing no lábio ou na sobrançelha, calças de ganga ténis allstar e t-shirt de riscas(ou então dos more than a thousand por exemplo), se enfiou por ali adentro, para mais um regresso dos portugas de Setúbal ao seu país de origem, com três concertos em pontos distintos do país. Isto depois do bom concerto no club lua, desta vez de uma forma bastante mais selectiva em termos de público. Digo isto, porque não havia ali ninguém para ver one hundred steps ou hills have eyes: estava ali tudo pelos cinco moços que estão prestes a editar o primeiro álbum "Vol.2 - the hollow", depois dos 3 ep's que até agora andam por aí.

È curioso de qualquer maneira ver que ainda assim muita gente que gosta da banda setubalense há mais tempo (mais ou menos o meu caso, que comecei com o "trailers...") também estava lá presente, pese embora muito do interesse dessas mesmas pessoas pela banda se tenha esfumado um pouco, com alguns dos temas mais recentes. Porém esse não é o meu caso: continuo a achar os more than a thousand uma autêntica lufada de ar fresco no nosso panorama musical, e que não existe uma única banda de emocore como eles em todo o mundo. Conseguem ter portanto um estilo único e próprio e que, acredito eu, vá prevalecer no novo disco da banda.

Começaram primeiro os one hundred steps, que tanto mostraram temas do seu novo ep "The eyes of laura mars", como do mais que costumeiro "You're a lovely victim of emotion chaos", num alinhamento semelhante ao concerto no ipj em Setúbal como aliás é normal. Voltei a ter a sensação de que a banda setubalense tem temas bastante melhores agora do que tinha há um ano atrás por exemplo, e que está claramente num processo de maturação que poderá dar bons frutos, dentro de um emocore bastante mais emo que outra coisa qualquer.

Pode-se também dizer que deram um concerto bastante esforçado, com uns bons litros de suor à mistura. A música deles não me deixa propriamente com saliva suficiente para formar um oceano maior que o pacífico, de qualquer maneira nota-se por ali bastante dedicação que tem de ser louvada. Foi um concerto bastante razoável e uma boa abertura.

Agora a pergunta impõe-se: Porquê termos os hills have eyes antes da banda principal, quando os one hundred steps têm formação mais antiga, e mais temas no bucho? O concerto de eddie e companhia foi um bocado mais curto que o dos seus conterrâneos que tocaram primeiro. Baseou-se obviamente no ep "All doves have been killed" que promete bastante a nível qualitativo, e que também conta com o vocalista vasco(dos more than a thousand pois) a dar uma perniha na balada emo do grupo.

O concerto foi bom, mas terem começado com aquela que é para mim a melhor música dos hills have eyes (a muito boa "those birds won't bother us anymore") foi um bocado mau. Isto vai um tipo vê-los lá prá frente para acabarem com o highlight nos três minutos inicais. Quanto à plateia, era ver os emokids num simpático crowdsurfing, no entanto ainda muita gente desconhecia os temas do grupo que surgiu da extinção dos skapula. Também se notou bastante suor e dedicação, e a banda pareceu-me claramente inspirada, pese embora talvez ainda precisem de mais alguma rodagem em palco. Também há tempo:os hills have eyes pouco mais de um ano têm, e já prometem ser uma das melhores bandas saídas da singular cantera setubalense.


E depois finalmente o motivo maior para aquele concerto: talvez mesmo o único(sim é verdade, sem os mta100 não acredito que ele se fosse realizar). A banda portuguesa voltou a Portugal, agora já com o disco pronto a vender- tanto era assim que na própria banca de merchandise ele já se podia adquirir por simpáticos 12 euros. Com o disco já nas lojas era de supor que os more than a thousand se baseassem especialmente no novo disco: tal não veio a acontecer.

O que aconteceu foi um concerto bastante semelhante ao do club lua, embora com algumas diferenças: os temas novos foram diferentes dos apresentados na sala ao pé de santa apolónia. Em fevereiro tínhamos ouvido "scissor hands" e mais um tema que não me lembro. Desta vez foram os temas que estão no myspace do grupo: "The hollow" e "Memories and Addictions". Para quem ainda não os ouviu, diga-se que "the hollow" é um tema mais melódico, quase baladeiro, muito mais ligado a uma linha emo mais tradicional. Já "Memories and addictions" tem um refrão do cacete, uma boa linha melódica, e um excelente contraponto entre essa linha e outra mais pesada. No fundo não adicionam uma enorme profundidade à sonoridade do grupo, mas sempre a consolidam o que é sempre positivo.

Quanto ao resto...bem, é sempre bom ouvir "Trailers are always exciting than movies", na quase totalidade (faltou outra vez a muito boa "jumping gardens and passing secrets"...bem que a podiam ter tocado em vez da "in loving memory" mas pronto), passaram por "teen massacre ep", tendo mesmo finalizado com óptima "it's the blood...there's something in the blood", e ainda foram ao primeiro ep "Those in glass houses shouldn't throw stones", buscar um tema que eu como otário que sou já não me lembro do nome. Ou seja tocaram o repertório todo, aquele que o público queria, sem arriscarem muito. Nada contra, até porque eu faço parte do público e tal, mas também era bonito tentarem tocar temas de "the hollow" que ainda ninguém conhecesse..naquela de tanto ganharem experiência a tocarem esses temas, como para dar ao público uma melhor noção em como soará o disco.

Mas enfim àparte disto, foi um concerto bastante razoável, com uma plateia dedicada, uma banda que continua em constante evolução, numa clara manifestação de criatividade e vontade de vencer. De realçar também o grande António Freitas que estava no andar de cima do santiago alquimista a vibrar..com uma das paredes do espaço, já que passou o tempo todo com a cabeça lá encostada. Isto um homem anda cansado e ainda o obrigam a ir para aqueles lados e tal(nada contra, apenas foi talvez o momento mais cómico da noite). Para além disto tudo, foi uma noite boa, com três bandas que personificam na perfeição aquele estranho reduto musical que não deixa de ser Setúbal. duas a abrir, para uma que já tem créditos firmados a nível nacional..agora é ver se esses créditos se confirmam definitivamente no estrangeiro. Por aqui já ando eu aos pulos para ouvir o "the hollow" e decorar tudo a eito.



(nota: por enquanto não há fotos...pode ser que daqui a uns tempos já as tenha, e ainda as posto aqui)

5 Comments:

Blogger Vanessa said...

comé? net agora para mim só na fac e por enquanto! a gente vai-se vendo por aí... desterrado!

3:05 PM  
Blogger pikiewikie said...

Já estranhava, eu fiel leitor, ainda não ter sido aqui "postado" nada relativamente as novas músicas de MTAT e nem uma referência ao concerto. Melhor, assim há uma análise completa.
Também eu lá estive nesse concerto, ou não fosse eu admirador da música da banda e de Setúbal.
O concerto, passe a falta de originalidade, foi brutal! na minha modesta opinião, bem melhor que o do club lua, superou em dedicação,entrega e vá lá, emoção, passe a bela da piada.
Para mim, o concerto teve um ponto alto, "reconheceram" finalmente o seu primeiro Ep, depois de muito tempo a ignorarem-no. foi Bom porque conheci-os com esse EP, e apesar de irem evoluindo, foi com ele que comecei a prestar atenção. já agora, a música que tocaram foi a "ordinary explenation".
Quanto as músicas novas, para mim situam-se a meio caminho entre esse mesmo primeiro Ep, pois são mais corridas, caso da memories, e mais indei/experimentais caso da hollow, e o trailers onde o musculo, o peso e a euforia foram soltas e criaram autenticos hinos. mas vá vá, são apenas opiniões. A hollow está magnitizante alias, bem alternativa, bem indie, mas nunca sem largar aquela pontinha emo.
Quanto às outras banda deixo de fora hoje, mas Hills have eyes surpreenderam-me agradavelmente.
Um abraço

3:22 PM  
Blogger pikiewikie said...

Já agora, que tal uma crítica a dois albuns: Saosin e 30 seconds to mars.
SIm, sou um leitor chato, para além de mandar vir com o que aqui é escrito ainda peço mais críticas :P
Um abraço

10:52 PM  
Blogger t said...

tens razao n dizes...cada x sao mais os putos k nem idade tem pra entrar nesses concertos k tao adrir a cena d hardcore...enfimm...

abraços..more e smp akela cena;)

12:44 PM  
Blogger patiXa_ said...

Eu cheguei a ver lá miúdas minúsculas com t-shirts de Hello Kitty =/

Mas só para te contradizer, ficas a saber que havia pelo menos uma pessoa que foi para ver os Hills Have Eyes, além dos More Than A Thousand.
E sim , faltou a Jumping Gardens And Passing Streets...

(Tenho algumas fotos, e tenho o video da Memories And Addictions, que apanha o gajo a mandar-se do primeiro andar e a cair aos pés do Vasco... se quiseres alguma coisa é só pedir.)

11:10 AM  

Post a Comment

<< Home