Saturday, April 30, 2005

Millencolin-Kingwood(2005)



Os suecos mais famosos na austrália estão de volta. A banda de sarcevic,farm,larzon e ohlsson, após o muito bom "home from home" , editaram este novíssimo "Kingwood", que já é o sexto álbum da banda(não contando com o disco de lados B "the melancholy collection".

Ora que dizer deste "kingwood"? A tarefa não deixa de ser complicada. Se "same old tunes" e "life on a plate" eram manifestos de um punk rock com uns quantos laivos pop, onde os millencolin tinham canções muito rápidas e eficazes,como um "bullion" ou a mítica "olympic", se "for monkeys" nada mais foi que um compasso de espera, embora bem agradável, para o bem razoável "Pennybridge pioneers", um disco que chegou a ouro na Austrália(eu não disse que são os suecos mais famosos na austrália?)e que tinha temas de um punk rock de características bem mais rockeiras e pausadas, não havendo tanto espaço para o punk rock mais primitivo da banda presente em discos anteriores.Já "home from home" deixou os fãs mais antigos à beira de um ataque de nervos: a banda dedicou-se a canções de rock, com um ou outro apontamento mais rápido(realce para a faixa dois "fingers crossed") mas sem as características que os tornaram mais conhecidos. ainda assim é preciso dizer que, muito honestamente, considero o "home from home" o segundo melhor disco de Millencolin. Foi o álbum onde a banda sueca melhor explanou a sua capacidade de criar grandes canções(e elas existem como a grande "Man or mouse" ou "Black eye") e soube verdadeiramente criar um som próprio, que já existia mas não em tão grande dimensão.

E todo este paleio para quê? Para dizer que "Kingwood" era um disco que, teoricamente, iria esclarecer muitas das dúvidas existentes sobre os millencolin. Será que iam voltar ao seu som mais antigo, ou iriam tentar desenvolver a sonoridade praticada em "Home from home" e, em parte, em "Pennybridge pioneers"?

A verdade é que "kingwood" apesar de ,definitivamente, estar mais perto desta segunda hipótese, não esclarece por completo. Criaram belas canções para este álbum como a contagiante "birdie" ou a mais emotiva "shut you out",mas por outro lado não houve um desenvolver muito grande em relação ao seu antecessor. Talvez tenha existido um assentar de poeira após a edição de "home from home" e este disco acabará por servir de passagem para a sonoridade verdadeiramente incrementada pela banda.Mas isso serão meras especulações, vindas da minha própria análise à carreira da banda.

Estamos portanto um disco pouco inventivo: Os millencolin continuam com a sua sonoridade própria, com canções de rock, como as já enunciadas, e também "Farwell my hell" ou o primeiro single "Ray", que combinam elementos rockeiros, com uma ou outra toada de punk mais virado para o pop, e refrões que fazem tudo para serem memoráveis. Depois existem as mais animadas "cash ou clash" a única canção capaz de agradar aos fãs mais old-school da banda que é "Biftek supernova", a bem solarenga "Mooseman's jukebox", e ainda "My name is golden" que ,apesar de parecer uma espécie de auto-plágio de "kemp" e "montego"(de "home from home"), é um tema com um bom refrão e uma bela toada rock.

E aqui está o grande problema deste álbum. Ouve-se com prazer e com vontade, mas não tem uma canção tão boa como "man or mouse" ou "black eye". Os temas que não mencionei cumprem bem a sua função de intercalarem as canções ditas "maiores", no entanto é precisamente nesses tais temas "maiores" que o disco falha. Não existe aqi uma canção com um poder tão grande como as referidas e, tirando em "For monkeys", é o único disco da banda sueca onde isso acontece.De qualquer forma tiveram talento de voltar a oferecer canções agradáveis ao ouvido, bons temas catchy,e muito bom gosto em riffs e letras.Não sendo um disco tão bom como "home from home", nem tendo um ou dois temas absolutamente memoráveis, tem um punhado de bons temas que podem agradar a qualquer fã de rock feito de maneira simplista, e até fãs de punk rock. embora estes(e especialmente os fãs mais antigos da banda) devam ouvir primeiro o disco antes de o comprar porque, sinceramente, "same old tunes" e "life on a plate" já ficaram definitivamente para trás... 7/10

3 temas de loucura:"Birdie","Ray","Mooseman's jukebox"

4 Comments:

Anonymous Anonymous said...

otima materia, mas senti um pouco de exagero ao dizer q "pennybridge pionners é um album "razoavel"!

6:48 PM  
Blogger Igor Alexander said...

Desculpe, mas achei que sua matéria foi muito mal analizada, precisa estudar muito mais sobre millencolin para fazer criticas construtivas sobre o assunto.

"My name is golden" que ,apesar de parecer uma espécie de auto-plágio de "kemp" e "montego"(de "home from home"), é um tema com um bom refrão e uma bela toada rock."

Kemp e Montego realmente são músicas com a mesma pegada, mas a My name is golden não pode ser comparada como um auto-plágio

7:45 PM  
Anonymous Tha said...

Que post terrível!!!!!!!!!
Você não entende porcaria nenhuma de Millencolin!
Manifestos punks em Life on a Plate?
'Don't you know I'm good for nothing' ou 'A pig in walking shoes' são manifestos punks desde quando?
Pennybridge Pioneers razoável?
Você está mesmo falando do álbum que contém No cigar (a música mais famosa), Fox, Material Boy, Duckpond, Right About Now, Penguins & Polarbears, Hellman, Devil Me, Stop To Think, The Mayfly, Highway Donkey, A-Ten, Pepper e The Ballad? Essa última é chatinha mesmo, mas 99% do cd é só de músicas superfodas!

Não tem o que postar, não posta.
Só não posta esse bando de asneira!

1:28 PM  
Blogger João D. said...

Tha, não sei se vais ler isto, mas tirar frases fora do contexto não te ficam bem. Relê lá a frase em que falo desse tal manifesto.. E sim acho o pennybridge um álbum razoável/bom - dar-lhe-ia 7/10 se o submetesse a avaliação. Sobretudo porque o acho enquanto um caminhar para uma sonoridade diferente de "life on a plate" por exemplo...acho o "home from home" o culminar do som que os millencolin quiseram imprimir ao seu material, depois do "for monkeys". O "pennybridge..." foi mais uma etapa para lá chegar.

Quanto a ti igor, é analisar a "my name is golden" e as outras duas...as guitarras são quase iguais, a maneira em como o nikola canta o refrão da "montego" é praticamente igual à maneira em como canta a "my name is golden..." Mas pronto cada um com o seu parecer sobre o que escrevi - se consegui despoletar reacções já não foi mau.

1:24 PM  

Post a Comment

<< Home