Monday, December 05, 2005

SHE HATE ME



"She hate me" é o nome de código que Jack armstrong(Anthony mackie) dá à sua ex-namorada Fatima, a qual ele apanhou na cama com uma gaja qualquer quando ia todo aperaltado, e com um ramo de rosas na mão. Sim, eu disse "gaja" logo suponhamos desde já que Fatima é fufa. Ou pelo menos, segundo ela, quis experimentar primeiro antes de casar com Jack. ah pois, porque eles estavam noivos, quando o coitado do rapaz a apanhou com outra.

Bom, tudo isto para dizer o mais importante: Jack engravida a ex-namorada. E a companheira da ex-namorada também. E mais umas amigas. e mais algumas. E ainda mais outras, perfazendo um belo total de dezoito putos. Ou dezanove, porque Mónica "boeing 747" Belucci, teve gémeos, e como o pai de Mónica é da máfia, e é representado na perfeição por john turturro, também se vê em ligações menos claras. Jack também é despedido, por ter descoberto uma falcatrua enorme na companhia farmacêutica onde trabalhava, e que estava prestes a descobrir uma vacina contra a sida, e preso, porque o decidiram tramar nesse âmbito,para além das já faladas relações com aquela família.

Por isso qual é a premissa do filme? Basicamente o facto de Jack ser um instrumento. E sim, esta expressão pode ser pefeitamente dúbia. Tanto é um instrumento para a empresa onde trabalha, pois quando pensa ter preponderância nas decisões empresariais, vê-se pontapeado sem apelo nem agravo, como para todas as mulheres, lésbicas, que ele engravida por dinheiro, dando uso ao seu instrumento. filme muito musical? Por acaso a banda sonora é boa, e dá uma tensão perfeitamente adequada e tensa ao filme. Mas, neste caso, a música é outra, e esta expressão agora foi um bocado idiota.

Portanto o filme inicia-se com o suicídio de um cientista alemão que percebera perfeitamente todas as falcatruas do chefão, interpretado por Wood harrelson. Jack descobre tudo, através de um cd deixado pelo cientista, e leva um chuto no rabo por isso mesmo. Ora sabendo da sua situação, a sua ex-namorada vai lá a casa, com a sua nova amiguinha(vulgo companheira), e propõe-lhe um negócio irrecusável: Ser mangueira de aluguer para ela e para a companheira, sendo que elas lhe pagam 10.000 doláres. Ok o nome "mangueira" pode soar um bocado ordinário, mas este novo filme de spike lee não é propriamente benevolente com a sociedade americana, nem pretende colocar paninhos quentes sobre assuntos que dizem respeito a todos. Por isso o mangueira fica.

Ora, após uma enorme relutância, Jack acaba por aceitar. O negócio vai-se desenvolvendo, e Jack vai ganhando cada vez mais dinheiro, mesmo tendo a consciência moral e ética de que tudo aquilo é extremamente errado. Quando monica belucci lhe entra pela casa adentro ele primeiro recusa, mas depois acaba por aceitar("que chatice, ter que ir dar uma queca com uma deusa destas e ainda por cima ganhar guita, isto não é nada ético" deve ter pensado ele), já dentro dessa perspectiva moral. Jack acaba por ser visto a entrar na casa da mulher, e é preso, por supostamente ter relações com a máfia, e também pelo facto de toda a falcatrua da empresa se ter assumido como sua.

Ora o que é que esta nova obra de spike lee nos pretende dizer, dentro de uma teia de eventos que parece difusa e pouco consistente? O que é que falcatruas empresariais,racismo,máfia,lésbicas, e procriação paga têm a ver com umas com as outras? A verdade é que spike lee tenta criar um filme sobre um mero homem no meio de uma sociedade hipócrita e corrosiva. Onde tudo se pode fazer por dinheiro, dinheiro esse que surge no excelente genérico do filme. Desde enganar todo um grupo enorme de pessoas, dizendo que a vacina contra a sida está pronta, enquanto isso ainda não é verdade, passando por corromper aquele que soube de tudo, esteve disposto a dizer a verdade, mas foi pontapeado pelos poderosos, até criticar o sistema de adopção americano, e o problema da impossibilidade de adopção de crianças por casais homosexuais. Ou talvez este último já seja eu a supor.

Por isso "She hate me" tem um conteúdo e uma forma perfeitamente coerente, mas entrelaçada de um modo subtil. Se por um lado, alerta para problemas económicos e de abuso de poder, denuncia igualmente problemas sociais graves, fazendo um alerta claro a toda uma sociedade demasiado preocupada com o seu próprio umbigo. Por outro lado, a realização de spike lee, auxiliada por excelentes movimentos de câmara, continua exemplar. e cenas como o picado lésbico, entre a ex-namorada de Jack e sua companheira, ou os flashbacks criados em torno do porteiro que denunciou o caso de watergate, são o mais vivo exemplo de uma realização extremamente interventiva e crua.

Mas o filme também tem problemas. A páguinas tantas, aquando do uso de Jack enquanto instrumento sexual, não conseguimos deixar de ter pena dele. Ora isto não teria mal nenhum, se não fosse o facto de ficarmos com aquela sensação do "coitado do afro-americano(porque dizer "preto" é ofensivo), teve que fazer isto porque o branco feio e mau o lixou na empresa". È portanto numa dimensão racial que o filme se perde. Não que ela não faça sentido, jack chega a perguntar a uma colega sua interpretada por ellen barkin (que continua uma bela milf em todo o sentido da designação) se tudo aquilo que lhe está a acontecer é pelo facto dele ser preto, no entanto talvez tenha sido algo despropositada, assim como o diálogo com john turturro(que faz de pai daquela deusa do olimpo de nome monica belucci) que, embora de uma consistência argumental excepcional, pegou um pouco quando abordou o cliché da raça.


Em suma, um filme com uma doutrina base, não muito boa, mas muito bem executada com todo o élan lésbico. Não é é uma obra prima, talvez pela vontade de lee em dispersar o espectador em demasiadas vertentes. Embora todas elas façam sentido, talvez seja complicado chegar lá com toda a difusão acontecimental que o filme produz. ainda assim, não sendo um maravilhoso the 25th hour, é um filme que não envergonha, nem o autor nem quem entra nele. E é uma bela peça crítica, em relação à sociedade vigente. Tentem arranjá-lo em vídeo já que nas salas, deve ter saído hoje de exibição após ter sido projectado na minha terreola.

8/10

2 Comments:

Blogger Mary wants a little Lamb said...

Grande confusão! Melhor não ver, ou ainda desenvolvo ideias lésbicas, hã?

9:08 PM  
Blogger Joana C. said...

eu não gostei muito deste filme. desiludiu-me e muito.

9:41 PM  

Post a Comment

<< Home