Saturday, September 23, 2006

EP's BONITOS E QUE FICAM BEM NA MESA DO CANTO DA SALA, QUE FICA AO CANTO DA CASA, NO CANTO DA ESQUINA,DO CANTO DA CIDADE, DO PAÍS DO CANTO DA EUROPA

Título enorme para vos dizer que este blog vai, pela primeira vez, dedicar-se à bela arte do gamanço. Não,não vou andar aí a penantes à procura da casa de cada um de vocês que está a ler isto(embora nem fosse muito difícil porque vocês devem ser poucos e tal), mas sim andar por aqui a disponibilizar cenaitas simpáticas que vou adquirindo via internet: ou seja roubar aos ladrões que andam praí a meter cenas ao barulho para o ser humano mais incauto ouvir no conforto do lar.

Mas como "ladrão que rouba a ladrão tem 100 anos de perdão"(só agora é que estou a dar o devido valor a esta bela frase), já me sinto inocente de qualquer acusação. Inocente e burro, por não ter descoberto estes ep's mais cedo, sendo que dois deles encontrei no amplificasom(http://amplificasom.blogspot.com), e o outro lá encontrei por mim no myspace dos pelican. De dizer também que, para além do split dos pelican(com os post-rockeiros japunas mono), também temos os que eu chamo "mestres do pântano" sunn O))) numa curiosíssima colaboração com os japunas Boris, e um e de isis & aerogramme, na décima quarta edição "fishtank": iniciativa em que são convidadas duas ou mais bandas para fazer músicas em conjunto, numa duração máxima que vai entre 20 a 30 belos minutos. È deste que vamos falar primeiro:

ISIS AND AEREOGRAMME - IN THE FISHTANK 14



È a primeira vez que faço isto. Falar de um disco que ainda não saiu cá para fora(apesar da edição estar agendada para segunda-feira). De qualquer maneira este split cheio de contornos ambientais, tanto serve uma formação como outra. Os isis acabam por criar aqui música mais envolvida com o post-rock, ou mesmo com o indie-rock, que propriamente com o sludge(à excepção do segundo tema "Delial"), mudança essa que também tem muitíssimo a ver com a própria sonoridade dos Aereogramme, banda que sinceramente não conhecia até dar de caras com este ep, e que anda mais pelos terrenos do já mencionado indie-rock.
Se "low tide" e mesmo "Stolen" têm mais conotações post-rockianas,embora esta última seja muito mais etérea e ambiental, é então "delial" que marca a diferença com 4 minutos intensíssimos, com um predomínio imenso daquelas guitarras à isis e que fazem toda a diferença. No fundo assistimos aqui a um afunilar da sonoridade da banda de Aaron turner: como se toda a intensidade dos isis conseguisse caber em apenas 4 minutos.

O que este "in the fishtank" consegue fazer é mostrar as duas bandas como são na realidade, mas também dar provas de que ambas se conseguem desdobrar na perfeição e funcionar como um todo: aqui nota-se um total entrosamento, tanto na excelente criação composicional, como no exercício de estilo. Um ep fantástico, recheado de grandes melodias(primeiro tema), de riffs intensos e poderosos(segundo tema) e de uma liberdade musical e emocional sem limites(terceiro tema). Formidável.

9/10

http://rapidshare.de/files/30976882/Isis_And_Aereogramme_-_In_The_Fishtank_14.rar.html



PELICAN AND MONO - SPLIT EP



Duas bandas de excepção, decidem juntar-se para fazerem um split. Neste caso, e ao contrário dos outros dois, é um split na verdadeira acepção da palavra: um ep onde cada banda faz as faixas por si, sem interferência da outra. Neste caso os pelican ficaram com dois temas("Ran amber" e "Angel tears" - num remix de James plotkin, outro guru de música mais experimental e ambiental) e os mono com "Yearning". De realce igualmente que tanto os temas de pelican, como o tema de mono têm uma certa correspondência aos temas com o mesmo nome, que estão tanto no último
album dos pelican, como no último dos mono.

Posto isto vamos falar das faixas: "Ran amber" é um tema de tonalidades muito límpidas, claramente uptempo com uma linha melódica idêntica àquilo que "the fire in our throats will beckon the thaw" oferece ao ouvinte. De qualquer forma o que há aqui de realce é uma guitarra que se sobrepõe à textura melódica base, e que funciona como elemento desviante em todo o tema. Se já de si só a melodia base era bela e de contornos ambientais de extrema "claridade"(neste caso é mesmo a solar), a guitarra dá aquela tonalidade quente que a música dos pelican sempre procurou: ficamos então com uma canção muito dentro daquilo que a banda nos habituou a dar, mas que consegue ir ainda mais longe quando decide usar a guitarra para lhe fazer de base. E desde já digo que o efeito fica com uma extrema intensidade e beleza musicais.

Já o remix de James Plotkin é um tema de feições mais experimentais. Há uma base de distorção, um poderio da bateria a certa altura, e depois uma quase disfuncionalidade da música..tornando-se ela própria uma distorção pura e simples, que só acaba nos riffs intensos que a música já tinha na sua versão original, incluída no álbum de estreia dos Pelican.E,verdade seja dita, acredito que é mesmo a parte que já integrava a faixa, o que de melhor tem este remix. Não é que ele não seja bem feito, mas talvez a dose experimental não se coadune bem com o resto do tema. Ou então aquele riff é tão bom e tão perfeito, que simplesmente aquilo que resta não lhe consegue lá chegar. De qualquer forma é uma faixa a não perder de vista.

Quanto ao tema dos Mono é uma adaptação bem conseguida mas...pois, não deixa de ser uma adaptação. Um tema que surge minimalista, soa depois intenso, e termina num regime mais soturno e sombrio. consegue isto em menos tempo, e com igual acutilância que o tema original é verdade: mas o estado de alma, o sentimento que se tem ao ouvir esta faixa é relativamente idêntico à original. Daí que talvez os mono poderiam ter trabalhado um pouco mais neste âmbito, e fazer um tema que se conseguisse desviar completamente da sua base. Não conseguiram, fica a simples intenção.

Resumindo rapidamente: um bom split, que não é mais que isso: bom. "Ran amber" é claramente o parente rico à fartazana, que consegue dar aos outros alguma da sua guita, para esses não parecerem tão pobres a seus olhos. Quer-se com isto dizer que é ele que ganha claramente o ep, e o justifica. Os outros dois temas, embora consigam criar sentimentos e estados de espírito, ficam um pouco colados aos originais. O que é pena, mas quando os originais são tão bons, as adaptações jamais poderiam ser menos que boas. Mas também são só isso.

7/10

http://www.badongo.com/file/1448561


Sunn O))) & Boris - Altar



Agora chegámos ao colosso. Naquela que pode ser uma colaboração absolutamente radical, embora relativamente adivinhável, os mestres do drone, e das músicas repletas de frequências baixas e terrenos ardilosos, juntam-se a quem aborda post-doom, noise, post-rock, e tanta coisa mais na sua sonoridade. O que dá? Dá este "Altar", split que não é split, mas sim uma estreita colaboração entre as duas formações, que acaba por dar origem a este disco.

E sim, como é óbvio, "Altar" não é um disco qualquer: temos as baixíssimas frequências sónicas do duo americano, com a panafernália sonora dos boris. Temos um primeiro tema em que isso se apresenta nítido, com uma integração de uma bateria não supersónica, mas bastante veloz e frenética. Temos um segundo tema que contempla aquelas atmosferas sonoras completamente negras e sombrias dos sunn O))), para depois desaguarmos em " The sinking belle(blue) onde é o piano que domina e uma voz meio doce que controla as circunstâncias. Aqui podemos dizer que existe "beleza". Tanto nas notas debitadas pelo piano, como pela suave voz que nos vai entrando na cabeça aos poucos e poucos. Por outro lado, no meio da beleza, há espaço para a negritude dos Sunn O))). E é incrível como se consegue juntar o negro e o claro, o belo e o inóspito, o tudo e o nada, num único tema. È aquele tipo de canções que uma pessoa pura e simplesmente fica absorta, com tamanha inventividade, e pela real busca de uma coisa que ainda não existia: um tema que experimenta, que inova, mas que também nunca foge a um formato de canção um pouco mais convencional. E está mesmo recheado de genialidade.

Chegamos portanto a metade do disco já sem fôlego. E o que temos a seguir é um exercício experimental entre o post-doom e o necro, onde também se encontra uma voz robótica, e umas malhas de guitarra de contornos quase épicos. Passamos também pelo genial ambiente um pouco mais atmosférico e tremendamente frio de "Fried Eagle mind", onde a tal voz de "Sinking belle" também surge,desta vez muito mais mecânica, diria até cínica. e desaguamos num pelo grandioso final: o quase apocalíptico "Blood Swamp", onde mais uma vez temos aqueles ambientes tão negros quanto geniais dos Sunn O))), são misturados com guitarras claramente distorcidas que realçam essa absoluta negritude, e que possivelmente pertencerão aos Boris.

Mas mais do que tentar perceber o que pertence a quem, é necessário compreender que "Altar" trata-se de um disco uno e indivisível. Consegue fundir na perfeição a sonoridade de duas bandas tão diferentes, mas tão iguais na vontade de criar e em fazer aquilo a que se chama "arte". Mas também consegue mostrar-se ao mundo enquanto objecto experimental absolutamente vencedor em todas as suas frentes.Este "Altar" é das coisas mais extremas, mais alternativas, mais indepentendes, que se vai ouvir este ano. Nem há palavras decentes para descrever tanta genialidade junta.

9/10

http://rapidshare.de/files/32675668/sunnO______Boris_-_Altar__2006_.rar.html

E pronto. Temos a variedade absoluta de "in the fishtank 14", as boas adaptações sonoras do "split" de mono e pelican, e ainda o total desvario ambiental(com uma verdadeira "canção"lá pelo meio) de "Altar". São 3 ep's muito bons, sobretudo o primeiro e o último. No entanto cada um deles tem especifidades mais que suficientes que digam "Vale bem a pena". "Altar" então é mesmo dos melhores discos que se vai ouvir este ano. Sem sombra de dúvida.

3 Comments:

Blogger ::Andre:: said...

Gostei de ler. Força para o bulogue ;P

2:33 PM  
Blogger faceless said...

boas críticas e sugestões. Sou fã do som pós-rock e pós-metal por isso agradeço as vossas dicas. estamos no canto mas uma coisa chamada internet põe um pouco cobro a essa situação... :P

8:36 PM  
Anonymous drumfolker said...

Muito bom texto. Porém, o link do 'Altar' não está funcionando.

4:14 PM  

Post a Comment

<< Home